sábado, 19 de março de 2011

TEMPO

Salvador Dali
TEMPO

Que faço do meu tempo?
Quanto sobra e quanto falta?
Mole e escorregadio
Derrete-se em desassossego!
E nele eu sou um rio…

Preencho-o em riscos ocasionais
Falo e penso
Num sopro de dentro
Guardando segredos
No silêncio!..
O coração
Bate…pula…
Ao percorrer
Os grafismos
Do teu querer
Da tua promessa
O teu desejo de mim
Que queres profundo
E sem pressa…

Sonho carinhos
Invento palavras
Risos no silêncio
Olhares pulsando
Lábios molhados
Noites intemporais
Paixão latejante
Corridas matinais
Sol abrasante
Corpos suados
Almas libertas
Rolando nos prados!

Quanto sobra e quanto falta?
Mole e escorregadio
Derrete-se em desassossego!
E nele eu sou um rio!

19.03.2011

1 comentário:

Natalia Nuno disse...

Bem do meu agrado, lindo, é um gosto ler-te Marisa.

Beijinho amiga bom domingo