quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Destino escondido

No lago ondulante do pensamento
há uma cascata turbulenta
tombando
um pássaro hibernando na raiz
da liberdade
um vento timbrado, que sopra
gemendo
um céu transvertido
lágrima

paisagem rascunhada…. cinzenta

mas no rabisco vermelho patente
há uma flor que cresce no abismo,
esquecida
pétalas e espinhos perfazem-se
rosa imergida
no licor quente da própria
vida

há um consolo que penetra
o olhar perdido….
um papel escrito
de um livro ainda não lido
um destino escondido
d`uma vida sentida
a minha

3 comentários:

Eduarda disse...

Liliana,

No livro por ler, uma réstea de esperança que pressinto.

bj

Colecionadora de Silêncios disse...

Liliana, que poema magnífico!

Aplaudo-te!

Beijos

Anónimo disse...

Lili,
Bela a cascata das tuas emoções.
Beijinhos
Nanda