segunda-feira, 25 de outubro de 2010

COMO NUM SONHO...

…bonito
Tu eras borboleta a rainha das estrelas-do-mar
Extraías a minha morte ao inferno que a queria para de mim se saciar
Calavas os relâmpagos que se estendiam na minha direcção
Quando sentia
Eras um anjo a voar na brisa da manhã
Os teus dedos as sandálias a percorrerem-me numa carícia imã
Tu devias ser borboleta
Ou a rainha das estrelas-do-mar
Coisas da vida
A saída
As coordenadas dos meus rituais
Na boca a falar amar a partir dos nossos quintais
E havia
Um clarão de anjos perfumados pela presença dos nossos ideais
Dois corpos jogados na órbita de Saturno como Pandora e Prometeu
Enrolados reflectindo a luz do sol fazendo acontecer…
E de novo numa infinda canção
A minha alma pluma de embalar

Tu deves ser borboleta
Ou a rainha das estrelas-do-mar

4 comentários:

Eduarda disse...

Alberto,

Nunca é demais ler este sonho.Tem voos que nos ultrapassam

bj

anacoelho disse...

A tua poesia é um lugar de inspiração e reflexão para além dos sentidos superfulos.

Beijos

Bi eL disse...

... e de novo, poesia infinda...

Belíssimo

Luiz Sommerville disse...

Querido amigo Albertus , és um poeta que eu admiro , muito ! É urgente dizer-te isto porque nunca sabemos se nos resta tempo suficiente para abraçar os seres que são o nosso braço !

Dar-te os parabéns ? Antes um , ó , como é bom ler o que tu escreves !

Abraço