sexta-feira, 1 de abril de 2011

Neste limbo onde me morro


O que sou
Nem eu sei
Quando me perco
Em pensamentos
Tantas vezes desconexos...

Nada fui
Nada serei
Tudo se resume
Ao que de mim sei
Que sendo tão pouco
É toda a fortuna que tenho
Pois sei das raízes
De onde venho!

O que hoje sou
Nem eu o sei
Serei um fôlego
Do meu desejo
Insatisfeito
Ou
Quem sabe
Um leve sopro de alma
Que do meu corpo
Se escapou...

Invento-me
Em cada esquina
De ruas improváveis
Procurando-me em cada palavra
Com as quais vou compondo
Estes versos
Onde me reinvento
Peneirando-os aos ventos
Que me sopram
Luares de Outono...

Vivo-me e morro-me
Nestas terras do esquecimento
Em desassossegos
Constantes
Pela busca incessante
Deste eu
Que por vezes
De mim se esconde

São inquietantes
Estas sombras que me rodeiam
Que me perseguem
Que nem lobos esfaimados!

E é delas que fujo
Quando me adentro
Neste delírio
Deste limbo
Onde me encontro
Onde me penso
Me castigo
Me vivo
E tantas vezes me morro...

Ao abandono
De mim mesmo...

1 comentário:

Natalia Nuno disse...

Por este teu nome não sei quem és,
de qualquer modo tenho vindo a ler aos teus poemas, e me deixo envolver, qualquer um é uma beleza.

Parabéns, linda poesia.

beijo