quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Captei a voz da alma

Escorrem em mim as palavras,
Sinto o sangue,
Como um rio
Brotando a alma.
É o verso,
Que ondula suavemente,
Germinando em rosas,
Que perfumam as minhas mãos
Fecundando o poema.
Deixo-me levar,
Velejando nesta paixão
Que conquista o meu ser
Ardósia que regista,
Os gestos de sentimento.
Afinal escrevo…
Fluindo letras e letras vãs
Forjam uniões
Que conquistam as folhas vazias
Onde repousam para um olhar.
Um dia…
Assim espero,
Serei voz e música
Abençoado pelo sonho
Que ousei ter.

2 comentários:

Encantadora de Abelhas disse...

Sentir paixão e escrever e/ou escrever com paixão... Faz brotar flores na alma e perfume no coração!
Linda a sua poesia!

Grande Beijo!

Nanda disse...

Luís,
Adorei o teu poema, meu amigo.
BJ
Nanda