sábado, 19 de maio de 2012

TRAGO NA MÃO UM ROUXINOL


















Quero aguardar o dia que se avizinha
A única porta para mim aberta
Com as mãos molhadas de ternura
e sonhos que a vida ainda em mim desperta.
Despeço-me desta noite deserta
Que me deixou o sonho destroçado
Quero mais um instante para amar
Voltar a ter-te a meu lado.

Trago na mão um rouxinol
Que canta a tristeza e a alegria
E nos olhos cresce um girassol
Lembrando-me que amanhã é
outro dia.

Esta viagem já me tolhe
os gestos e os pensamentos
Não há chuva miúda que não molhe
Nem vidas sem sofrimentos.
É breve o tempo que nos resta
Nada o faz adiar
Daí a saudade é o que resta
Para a solidão enfrentar.

Chega a madrugada soalheira
Cantam os pássaros aos milhões
E a vida vai pregando sua rasteira
Com ela levando-nos os corações.

rosafogo
natalia nuno
imagem da net

8 comentários:

PÈTALA disse...

Olá Natália

Rouxinol de belo canto
Que bem o fazes ao luar
Faz valer o teu encanto
Para a tua amiga alegrar

O amar não tem idades
Nem de noite nem de dia
E nem o mar de saudades
Deverá fazer perder a alegria

A tristeza rouba a vida
E a condena a degredos
Por isso deve ser vivida
Sem nenhuma espécie de medos.

Muita sensibilidade!
O amigo pétala. Beijo

Borboletas no Estômago disse...

lindas palavras

Maria Gomes disse...

Olá amiga, em grande com a tua poesia, miuto lindos os teus versos, os teus poemas.
beijinhos da sempre amiga
Maria Gomes

Bi eL disse...

"E nos olhos cresce um girassol"

Olá, Natália

sempre girando, na incessante busca da luz :)

adoro girassóis, são a minha flor preferida :) tenho até um poema em que "Cresceram girassóis dentro dos meus olhos"

e adorei ler as tuas palavras, sábias e ternas, como sempre.

Beijinhos, boa semana :)

Bi (ou Marialuz... )

Natalia Nuno disse...

Obrigada Pétala, adoro ler tuads quadras, bem as sabes rimar tão a meu gosto.

Beijinho

Natalia Nuno disse...

Agradeço com muito carinho o apreço, amiga Borboletas...

Bjs, grata p'la visita.

Natalia Nuno disse...

Olá Maria, eles vão surgindo assim como vês..parar é morrer e então cá vou caminhando.

Saudades...
Beijos.

Natalia Nuno disse...

Olá Bi

Fico no paraíso quando me comentas,
és sensível à singeleza da minha escrita e sempre recebi de ti incentivo para ~continuar.

Bem hajas, obrigada p'la tua amizade querida Poeta.

Bjs