quarta-feira, 7 de março de 2012

A FUGA DO TEMPO



Neste dia quanta coisa por dizer
As palavras se repetem
Mas escrevo, escrevo e assim
a morte, nada intenta contra mim.
Nos olhos as lágrimas se metem
Como os últimos raios nas vidraças
batendo, batendo como ameaças.

Queria tanto ser uma garça
Ou uma narceja!
E num vôo adensar por entre nuvens
correr mundo.
É tudo que meu olhar deseja!
Aproveitar o vigor
Seguir o suspiro do vento
Abandonar-me ao amor
Que ainda no coração acalento.

Trago os olhos húmidos de emoção,
e na noite de repente caída,
uma lágrima rebelde incontida,
de tristeza e confusão.
A fuga do tempo me acompanha
Levo no coração confiança,
deixo-me ir na corrente,
sou como em criança.

Vou sonhando sómente...

natalia nuno
rosafogo

2 comentários:

Maria Gomes disse...

Também queria fugir com o tempo, lindo poema amiga, beijinhos

Natalia Nuno disse...

Obrigada Maria p'lo carinho.

Beijinho.