segunda-feira, 9 de maio de 2011

Rainha por um dia



Senti-me uma rainha
Duma corte imaginária
Sorte a minha!
Ser Poeta de saudade lendária.
Saudade que é pedra preciosa
Verde esmeralda ou rubi
Bálsamo para minha alma chorosa
Safira, cor vinho onde me perdi.

Rodeada, duma pequena multidão
Extasiada e sorridente
Orgulhoso meu coração
Encheu-se de esperanças no presente.
Pérolas me foram oferecidas
E eu sentei numa poltrona
Ofereci aos convidados bebidas
Rainha duma saudade sem dona.

Rainha dos sonhos,
de pequena carruagem,
Arreios orvalhados de luar
Rainha de coragem!
Que sonha, sonha sem parar
Sonha com Lua de marfim
Com pérolas verdadeiras,
ao pesçoço em fieiras
Numa felicidade sem fim
Rainha de mil maneiras.
Numa alegria frenética de viver
Nos olhos uma sombra de melancolia
Era rainha ou fingia ser
Rainha por um dia.

Correram rios em mim
Dentro do meu coração
Saboreava uma felicidade sem fim
De repente acordei do sonho no salão.
Não cheguei atrasada
Se ergueram à minha passagem
De rainha não tinha nada
Sómente a minha coragem.


naralia nuno

rosafogo.

Foto de Maria Pinheiro.
Foste uma verdadeira Rainha da poesia! Beijo azul

3 comentários:

Natalia Nuno disse...

Te agradeço Fátima todo o carinho e a tua presença neste meu dia feliz, em que tantos amigos me dedicaram a sua atenção.

Beijinho, obrigada por trazeres este poema para o «Tu cá Tu lá»

Luiz Sommerville Junior disse...

Os meus mais sinceros parabéns à autora !
E também congratulações por este belo poema !
Votos duma excelente semana.

Natalia Nuno disse...

Obrigada Luís, para ti também tudo bom meu amigo.


Beijinho