domingo, 1 de maio de 2011

Filosofia de merceeiro


Ao fim do dia,
antes de fechar a loja,
o merceeiro debruça-se
sobre os caixotes de fruta
colhendo a fruta tocada,
separando-a da fruta boa,
para que esta
não seja contaminada
pela sua baba peçonhenta.

Ao contrário de Deus
que, nos caixotes do mundo,
teima
em misturar as almas tocadas
com as almas purificadas
para que estas se redimam
de suas impurezas
e possam de novo ser penduradas
na árvore da vida,
o merceeiro sabe
que o mesmo nunca acontecerá
com a fruta
que, uma vez contaminada,
jamais voltará a ser sã.

Por essa razão, todas as manhãs,
quando volta a estender
os caixotes de fruta no passeio,
apenas a fruta boa
é exposta
ao olhar cioso da clientela,
que nada quer saber
da improvável redenção
da fruta estragada.

_____________________________________________

2 comentários:

Amanda Carvalho disse...

Como nossos atos que jamais são esquecidos pela maioria das pessoas(os ruins obviamente rsrs) Como dizem Deus perdoa mas a natureza não.
Adorei o texto, beijos Runa e boa semana p vc!

Maria Gomes disse...

Excelente texto, tal como o amigo já nos habituou, gostei muito de o ler.
beijinhos
mariagomes