terça-feira, 14 de dezembro de 2010



PAI

Como se fosse ontem
Num dia de névoa
Agarro a tua mão
Grande, aglutinadora
E de mão dada
Eu descubro
Pelos teus olhos
A multiplicidade
De os mistérios
Da cidade!

Cantos e recantos
Estátuas e museus
E inevitavelmente os jardins
Os jardins do meu contentamento
Com o saco do pão
Para os patos
Meu vivaz divertimento!

Todas as ruas
Tinham os seus casos
E tu sabias tanto!
De guerras, revoluções
De heróis e poltrões
Do povo combativo, sofredor
Realista e sonhador!..

Por ti amei o Porto
Bocado a bocado
Deslumbrada, surpreendida
Com a tua voz grave
De pedagogo da vida!
13.12.2010

1 comentário:

Maria, Simplesmente disse...

Gostei de vir ao seu Blogue, sabe bem aqui estar e descobrir coisas interessantes.
Parabéns por este espaço e pelo seu bom gosto.