sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

ABRAÇO

abandonei-me ao teu abraço
fogo que nos condensou…
sem palavras …
abraço de embaraço!
as pessoa passavam
ouvia-as distantes
ruídos diluídos
no bater ruidoso do coração!
.
não sentia o solo
balançava no ar
sentidos girando
veloz carrossel,
que turvava a realidade…
os pesos...esquecidos!
.
ascendia às estrelas
apanhava a via láctea
e nesse percurso estelar
sentia-me desfalecer
cega pelos brilhos
cintilantes!
.
apertaste-me mais
as tuas mãos premiam
as minhas costas
eram sábias inquietas
com seus dedos de néctar!
cavalos selvagens
transpirantes
cúmplices de……
suspiros e interjeições!...
12.11.2010

2 comentários:

Loivarice disse...

Abraço que envolve tudo ao seu redor... Lindo... bjs de luz

Natalia Nuno disse...

Muito bela a tua poesia, que bom
ter oportunidade de a ler.

Beijinho