quinta-feira, 2 de agosto de 2012

PARA ALÉM DA MORTE


Pode parecer aos outros impossível
Pode ninguém acreditar
Mas eu acabo de morrer.
Morri quase sem dar por ela
Não ainda a morte integral
Essa está a acontecer gradualmente
Na medida em que os neurónios
Esses portadores do facho da vida
Quais pirilampos mágicos
Um a um se vão apagando.
E eles são tantos, tantos!
Agora que pouco falta
Para que se apague de uma vez por todas
A chama que me deu vida
Tomo particular consciência desta
Num estranho processo de absoluta extinção.
Sim, agora vou apagar-me mesmo.
Apaguei-me!
Mas oh deuses
Da banda de lá da morte
De um tempo já sem tempo
Porque deixara de o ser,
Porque embarcara num infinito,
Que o transporta e lhe retira o sentido
Desse mesmo tempo,
A noite é a mais total que conheci,
A que é alheio  ténue indício das estrelas.
Destas guardo algo de que
Os resquícios que me sobram da memória
Não logram agarrar definição.
Entretanto, decorrido este tempo
Que viajou já pela negritude total
Que não conheceu barreiras,
Acontece o impensável:
Um muito vago ponto luminoso,
Anuncia-se-me ao longe através da escuridão
Que tinha indeléveis as cores da morte
Essa que eu sabia existir
Mas não estava certo ainda
Que fosse o fim absoluto.
Esse ponto de luz chega até mim
Cada vez mais intenso
Impregnado de sons distantes
Que eu tinha já esquecido
Esses sons capazes de despertarem
Remotos e celestiais mantras
Começaram a emitir
Para mim verdadeiros flashes de vida.
Conscientizei-me de que
Noutra rota, noutros caminhos
Porventura mais auspiciosos ainda
Acabara de entrar a minha pessoa.
Num já quase êxtase
Pressenti a proximidade daqueles
Que haviam  partido antes de mim.
Tomei consciência numa serena euforia
De que para mim, para o homem
A morte se extinguira.
ANTOBER

1 comentário:

Orvalho do Céu disse...

Olá,
De fato, a morte não dura para sempre...
DEUS te cubra de bênçãos e te faça feliz!!!
Abraços fraternos de paz