sexta-feira, 20 de agosto de 2010

SONHO DE POETA

Vive dentro de mim
uma voz que me sussurra
estes versos que reinvento
no coração das horas solitárias.
Uma voz sem idade nem rosto
que me guia os dedos trémulos
pelos labirintos de papel
onde desenho o movimento do mar
e as cores do poema,
como um barco de fumo
que passa sob a ponte invisível
cruzando as margens distantes
de um imenso e desconhecido rio.

Não sei a quem pertence
esta voz rouca que me habita
e me enche os pensamentos
com o ritmo sufocante
de um ardente respirar.
Um sotaque de ventania
a assobiar dentro das sílabas;
o pulsar ofegante de um desejo
que me impele constantemente
a arranhar a face lisa desta folha,
numa busca cega pelo equilíbrio
de um punhado de palavras
que talvez ninguém vá ler.

Dentro de mim,
nas janelas abertas deste túmulo,
vive o sonho de um poeta.

3 comentários:

®wahine disse...

Ola Amigo e poeta. Sê muito bem vindo a este espaço. Espero que te sintas cá bem.
Quando ao poema com que nos brindaste é belíssimo e abriste este espaço com chave de oiro. Um sonho de poesia no sonho do poeta!

Beijo

Mª Dolores Marques disse...

Um gosto poder ler-te também por aqui

Obrigada pela partilha

Beijo

Dolores Marques

Luiz Sommerville disse...

Este poema traz-me recordações dum grupo que foi pioneiro em termos de Poesia e congregar ao seu redor um conjunto de autores valiosos, foi uma espécie de Luso doutros tempos; do tempo em que os blogs ainda eram muito raros e sites como o Luso eram-no muito mais! Chamava-se, precisamente: Sonhos De Poeta!
Bela viagem me proporcionaste neste teu Sonho!

Abraço