quinta-feira, 25 de outubro de 2012

um sonho apenas


Lá no alto
está pousado um pardal
atiro-lhe uma pedrinha
sem o intuito de acertar
fico assim em sobressalto
foi só vontade de atirar
sinto ganas de rebolar no chão
de dizer parvoíces, gritar...
meus gestos ficaram na criança
ainda por lá estão...

balouço as pernas pendentes
meus cabelos são chuva de verão
e meus olhos são como batentes
em tudo pousam com sofreguidão
vou buscar os brinquedos
à casa da avó...
trago-os em segredo
pra não me sentir só.

o cão preso à corrente
ao longe o uivo da locomotiva
e eu sinto-me gente
sinto-me viva!

o que me falta está ausente
meu pai e minha mãe
e minha avó também
corajosamente,
prossigo sozinha
levo sonhos
nas mãos nodosas
e a criança em mim adormece
sente falta das mãos carinhosas
deita a cabeça
sobre um pedaço de bolo

mas que sonho tão tolo!

atrás duma cortina
de cores desbotadas
me vejo menina
de faces coradas
faço o caminho de regresso,
sem interesse
ah...se eu pudesse lá ficar
se pudesse!
lá no alto continua
pousado o pardal
e a lua
e eu criança sei quando faço
algo mal,
prometo não atirar mais pedrinha
deixem-me ficar
por favor, nesta infância minha


natalia nuno
rosafogo

2 comentários:

Corpo-Alma disse...

Sonho nostalgico de quando crianca... peraltices de uma crianca que soube viver sua infancia. Coisa rara hoje em dia. Parabens poeta, seu blog é muito bom!

Natalia Nuno disse...

Grata estimada amiga.
tudo bom para si.