sábado, 1 de setembro de 2012

Num colchão de nuvens


  Elevam-se os sonhos
Suspensos no ar
São os propulsores
De quem quer voar

As asas sustentam
Um céu infinito
O medo que temo
É o olhar que agito

Num colchão de nuvens
O mar cá em baixo
Não é mais que chão

Perto dos meus santos
Os ventos alísios
Vindos do deserto
São doce monção




1 comentário:

Lola disse...

Mmmm, gostei.
Simples, direto, puro...

Obrigada pelo carinho.
Cá também estou como seguidora
e vou voltar sempre.