terça-feira, 30 de setembro de 2008

Ilusório do tudo

Estes encontros
e desencontros
de personas
alienadas
por
passados enegrecidos
fincados como espinhos
no seu ser menino
crescendo em âmagos
desequilibrados
alucinados
sôfregos do nada
ilusório do tudo

Deambulam no tempo
como
soberanas realezas
manipulando seus súbitos
ao sabor da loucura
e da prepotência

Ah! corja de mutantes
intragáveis
Que quereis de nós?
Liliana Maciel

1 comentário:

Novo Olhar disse...

Obrigado Liliana pelo eu poema
Um beijo me

Dolores