quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Proliferam

Proliferam palavras em explosão de guilhotina na carne humana. Jazem corações espatifados aos olhos, alimentando a mente de sangue fresco como veneno. É só deixar fluir que ele espalhar-se-á, tomando conta da pouca Luz que existe…

Clarisse Silva


3 comentários:

PÈTALA disse...

As palavras quando de espírito destruidoras destroem mais que armas letais! Deixando multidões de mortos, vivos!

Patrícia Pinna disse...

Bom dia. As palavras podem ser mel ou fel, cabe a nós decidimos qual caminho escolher, o da vida ou da morte.
Dificilmente nos recuperamos de palavras proferidas frivolamente, mas ainda existe tempo para que da nossa boa não saia salinidade!
Vim do blog do Runa e amei conhecer este outro com poesias belíssimas.
Parabéns aos colaboradores.
Linda semana de paz!
Beijos na alma!

Patrícia Pinna disse...

correção: decidirmos e boca